Mulheres que pedalam falam sobre medos, preconceito, liberdade e autonomia (vídeo)

Screen Shot 2015-03-08 at 8.55.27 AM

Patricia Luna ensina mulheres a pedalarem.

Para os homens, a bicicleta no início era apenas um novo brinquedo, para as mulheres, um instrumento que as levava a um novo mundo”. – A mulher e a roda/ Revista Munsey, maio 1896.

Luciana Spedine é uma executiva que usa a bicicleta para ir e voltar do trabalho. Patrícia Luna uma “bicionária“, que ensina mulheres a pedalarem no México. A colombiana Gladis Garcia se lamenta por nunca ter aprendido a andar de bicicleta. “Na minha infância, o machismo era tão forte que não podíamos imaginar-nos abrindo as pernas para montar na bicicleta” – conta Gladis. Teresa tem um grupo de mulheres que pedalam há mais de 20 anos em São Paulo, o “Saia na Noite” e também sofreu preconceito no início: “Imagina, eu era a única mulher da minha família separada, que andava de bicicleta pra baixo e pra cima” – lembra Teresa.

Entrevistei algumas mulheres durante o 4º Fórum Mundial da Bicicleta e outras em São Paulo que falam sobre preconceito, medo e também sobre o empoderamento e a independência que a bicicleta proporciona ao ser humano, em especial as mulheres. ” Nas Bicionárias, nós dizemos que uma mulher numa bicicleta é muito mais livre, feliz e independente” – conta Patrícia.

Ela afirma que no México, entre 10 ciclistas, apenas 2 são mulheres e acredita que isso se deve ao medo. Tanto que uma cidade é considerada segura para se pedalar quando o número de mulheres pedalando aumenta. “Isso é um indicador de segurança” – diz Tais Baleiro, coordenadora de pesquisa da Ciclocidade ( SP).

Screen Shot 2015-02-28 at 7.15.28 PM

Patricia pedalando em Medellin, durante o 4º Fórum Mundial da Bicicleta.

” Eu me sinto muito confiante quando estou na minha bicicleta” – conta Luciana, que acha que o dia 8 de março não faz a menor diferença: ” Eles vão engrandecer a mulher nesse dia mas na segunda-feira estamos sujeitas a sermos agredidas, questionadas de várias formas, apontadas, eu por exemplo não estou nem um pouco tocada com essa data.” – afirma Luciana.

Assista o vídeo com um pouco da história dessas 4 mulheres de diferentes idades, que falam sobre os sentimentos que a bicicleta proporciona:

Anúncios
Esse post foi publicado em cidadania, mobilidade, sustentabilidade, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s